Energia em Tempos de Pandemia

Autor de Capítulo juntamente com Gustavo Santiago, sócio da Sion Advogados da área de Energia

Capítulo: O Comportamento Dos Agentes Do Setor Elétrico E A Necessidade De Manutenção Dos Contratos

Descrição do livro:

Uma pandemia do novo coronavírus vem demandando a adoção de uma série de iniciativas em escala mundial qualificados de reduzir sua proliferação, obrigando o Poder Público a empregar restrições de restrição à circulação de pessoas, à aglomeração e ao exercício de atividades, como quais geram uma diminuição diminuiu a atividade econômica e consequente recessão global. Em outros termos, a redução da cadeia produtiva enfraquecerá os mercados internos que diminuirão sua produção, seja pela pandemia, seja pelos impactos relacionado dela decorrente. Fato é que o efeito-dominó será inevitável e, partindo do princípio de que a demanda de energia elétrica é uma variável dependente e da atividade econômica, em regra as perspectivas de consumo devem ser negativas. Embora o setor já apresente certo amadureci mento em casos de crise e tenha que encarar diversas hipóteses atípicas, a intensidade e a velocidade com que essa pandemia se firmou vem demandando a adoção de medidas cada vez mais contundentes, a fim de manter uma integridade, eficiência e até mesmo a sustentabilidade do setor elétrico e de seus agentes. Nesse sentido, o Ministério de Minas e Energia crioula, através da Portaria nº. 117GM, de 18.03.2020, o Comitê Setorial de Crise, ao qual compete a coordenação, monitoramento, a orientação e a supervisão das providências a serem adotadas pelos órgãos da administração e pelos agentes setoriais. Também foi criado o Gabinete de Monitoramento da Situação Elétrica(GMSE), “com o objetivo de (i) identificar os efeitos da pandemia no mercado de energia elétrica; (ii)monitorar ar a situação econômico-financeira do Setor, bem como da demanda oferta de energia elétrica e (iii) coordenar estudos de propostas estruturantes para preservação do equilíbrio nas relações entre todos os agentes do setor elétrico, da qualidade e da modicidade tarifária ”.Da mesma forma, como associações representativas (Geração, Distribuição, Comercialização e Consumo) do setor elétrico buscam, conjuntamente, alternativas e soluções consensuais entre os agentes para enfrentar os problemas relacionados àCovid19.A bem da verdade, a maior preocupação se dá em razão da preservação dos fluxos de caixa do setor, especialmente relacionado à diminuição da arrecadação das Distribuidoras de energia elétrica, como quais, no modelo regulatório atual, absorvemos maiores riscos e riscos causa dos da variação de mercado. Isto porque, ademais de realizar o atendimento direto ao consumidor final da cadeia produtiva do setor, como Distribuidoras responsável ela arrecadação de grande parte dos consumidores esfiassem outros termos, a Distribuição, não Sistema Elétrico Brasileiro, é o grande pilhado setor, visto que é o seu fluxo financeiro que sustenta a setor cadeiral, incluindo o sistema de transmissão e de geração, iniciando-se com o recolhimento dos pagamentos na Distribuição. Como consequências, todavia, mais impactantes geradas pela Covid-19 atingem boletim Distribuição, com a “(i) redução do mercado decorrente da diminuição do consumo, tanto na do consumo de energia elétrica(kWh), quanto na relativa à demanda(kW); e (ii) possibilidade de aumento da inadimplência em decorrência da limitação da capacidade dos consumidores de honrarem seus compromissos perante a distribuir um de energia elétrica ”. Nesse ínterim, diversas medidas foram refinar com o intuito de preservação serviço público de distribuição de energia elétrica, bem como a manutenção

fornecer energia elétrica aos consumidores. A Agência Nacional de Energia Elétrica(ANEEL), dedicada à mitigação dos prejuízos imediatos, deliberou, acertadamente, pela liberação dos recursos dos Encargos de Serviços de Sistema (ESS) para o segmento do consumo, nos ambientes de contratação cativo e livre, com uma injeção de mais de 2bilhões de reais. Não que tange aos consumidores residenciais e aos provedores de serviços essenciais, a Resolução Normativa nº. 878/2020Calcula algumas das providências mais relevantes, como a proibição do corte de energia elétrica por 90 dias e a isenção de consumidores beneficiários da tarifa socialfazer pagamento pelo consumo de até 220KWh / mês, abril a junho de 2020, com oaporte de R $ 900 milhões. Destaca-se que a ouro medida social com vistas a garantir o garantia de energia elétrica sem a possibilidade de suspensão por inadimplência, bem como a redução de mercado, criou a chamada perfect stormpara as Distribuidoras, que necessite de arcar com seus compromissos firmados. Relativamente à energia contratada, como Distribuidoras sofrerão com a expectativa frustrada de mercado, gerando uma sobre contratação, sendo uma energia excedente liquidada no mercado de curto Prazo (MCP) precificada pelo Preço de Liquidação de Diferença (PLD), que tende a ficar próximo do piso regulatório em razão da queda na demanda. Tendo em vista a drástica redução da atividade econômica e a consequente redução sem consumo de energia elétrica, diversos consumido res do Grupo A -cujo destino em tensão é igual ou superior a 2,3 kV e usado peletaria binômia, composta pelo pagamento de demanda de potência e por uma parte proporcional à quantidade de energia consumida – solicitaram a flexibilização reajustamento da fatura, de forma que distribuidora cobrasse apenas a energia apresentar consumida, ou até mesmo diferir-se o faturamento para o período pós-pandemia. Indubitavelmente, a demanda de potência tem caráter de cobrança fixa, vez que se referia aos investimentos antecipadamente realizados pelas Distribuidoras para disponibilizar a infraestrutura imprescindível ao consumidor. Ainda com vistas a reduzir a sobre contratação, algumas distribuidoras Utilizaram-se do Mecanismo de Compensação de Sobras e Déficits (MCSD) mensal durante uma pandemia, o que foi rapidamente rechaçado por um grupo de comercializadoras de energia elétrica. As comercializadoras dissipadoras requerimento administrativo junto à ANEEL alegando que as Distribuidoras Agindo estava agindo com manifesto abuso de direito e usurpando os limites impostos pelo seu fim, ou seja, instrutor argumentando que Algumas distribuidoras estão usando do MCSD de forma indevida para reduzir aso recontratação causada pela COVID-19.Outrossim, uma Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel)emitiu comunicado com orientações gerais e, em suma, afirmou que (i) os contratos de compra e venda de energia elétrica são instrumentos financeiros, (ii)não pressupõe entrega física do produto (iii) que as diferenças contratual é – sobrasou déficits – são liquidadas pelo preço do

PLD no curto prazo e, portanto, existem mecanismos contratuais que abarcam a situação em si. Na mesma linha, os Geradores apresentam Preocupações com o grande volume de Notificações que invocam a ocorrência de caso fortuito ou maior força como forma de justificar o inadimplemento das obrigações contratuais, tanto no âmbito do mercado livre quanto no regulado. Algumas associações representativas dos Geradores reafirmaram uma necessidade da manutenção do equilíbrio econômico-financeiro dos contratos, requerendo, para tanto, que a ANEEL avaliasse a situação de todos os elos da cadeia e se posicionasse explicitamente quanto à ocorrência descaso fortuito e força maior nos Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente de Contratação no Ambiente Regulado (CCEAR). Outras instituições a solução imediato para o fator de escala de geração(GSF), que se encontra pronto para ser votado no Senado Federal e de fato traria liquidez para toda a estrutura do setor elétrico. Em vista do exposto, inquestionavelmente Sistema Elétrico Brasileiro necessita de segurança jurídica e regulatória para atrair investimentos privados à sua manutenção, bem como a possibilitar sua expansão rápida a retomada na economia pós-pandemia. Lado outro, em atendimento ao próprio princípio da segurança jurídica, o qual deve nortear as relações jurídicas, deve-se levar em consideração que a evocação dos eventos de caso fortuito e força maior não podem ser comunicados indistintamente, exigindo a individualização dos casos, deforma a mitigar ao máximo os prejuízos para as partes envolvidas. Dessa forma, não por menos, os métodos consensuais de resolução de controvérsias, notadamente uma negociação, é medida cuja A aplicação se recomenda para a mantença dos contratos, evitando-se litígios que se arrastam por muito tempo, especialmente tendo em vista o cenário que vivenciamos, o qual exige uma resposta rápida aosproblemas enfrentados. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASABRACEEL. Efeitos da Pandemia nos contratos de comercialização. Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia, Brasília, 31 mar. 2020. Disponívelem: https://abraceel.com.br/blog/2020/03/ efeitos-da-pandemia-nos-contratos-decomercializacao /. Acesso em: 31 abr. 2020.BIROL, Fatih. Agora é a hora de planejara recuperação econômica de que o mundo precisa. Agência Internacional de Energia, Paris, 27 abr.2020. Disponível em: https://www.iea.org/ comentários / agora é a hora de planejaras necessidades-econômicas-de-recuperação-do-mundo.Acesso em: 30 abr. 2020.BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.Diário Oficial da União, Brasília, 05 out.1988. Disponível em: http: //www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 10 maio 2020.BRASIL. COVID-19: ANEEL autoriza repasse de recursos de fundo para reforçar liquidez do setor. Agência Nacional de Energia Elétrica, Brasília, 07 abr. 2020. Disponível em: Aneel.gov.br/COVID-19. Acesso em: 05maio 2020.BRASIL. Grupo A. Agência Nacional de Energia Elétrica, Brasília, 2020. Disponível em: Aneel.gov.br/grupo A. Acesso em: 05maio 2020.BRASIL. Medida Provisória nº. 949, de 8 de abril de 2020. Abre crédito extraordinário, em favor do Ministério de Minas e Energia, sem valor de R $ 900.000.000,00, para o fim que especifica. Diário Oficial da União, Brasília, 08 abr. 2020. Disponível em: http: // www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2020 / Mpv / mpv949.htm. Acesso em:05 maio 2020.BRASIL. Medida Provisória nº. 950, de 8de abril de 2020. Preparação sobre medidas temporárias emergenciais destroçados ao setor elétrico para enfrentamento do estado de calamidade pública reconhecida pelo Decreto Legislativo nº 6, de 20 de março de 2020, e emergência de saúde pública de importância internacional de corrente da pandemia de coronavírus (covid-19).Diário Oficial da União, Brasília, 08 abr.2020. Disponível em: http: //www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2020/Mpv/ mpv950.htm. Acesso em: 06 maio 2020.BRASIL. Nota Técnica nº. 0018 / 2020-SRD / SGT / ANEEL, de 28 de abril de 2020.Faturamento de demanda de consumidores do Grupo A durante uma pandemia do coronavírus(COVID-19). Agência Nacional de Energia Elétrica, Brasília, 28 abr. 2020.BRASIL. Portaria nº. 6.335, de 8 de abril de2020. Diário Oficial da União, Brasília, 08abr. 2020. Disponível em: http://www.in.gov.br / web / dou / – / portaria-n-6.335-de-8-deabril-de-2020-251918847. Acesso em: 05maio 2020.BRASIL. Resolução Normativa nº. 109, de26de outubro de 2004. Institui a Convenção de Comercialização de Energia Elétrica. Diário Oficial da União, Brasília, 26 out. 2004.Disponível em: http://www2.aneel.gov.br/ cedoc / ren2004109.pdf. Acesso em: 10 maio2020.CASTRO, Nival de de; ALBINO, Jean; BRANDÃO, Roberto. Alternativas e Sugestões para mitigar os impactos a fazer coronavírus sobre o Setor Elétrico Brasileiro. Canal Energia, Rio de Janeiro, 28 abr. 2020.Disponível em: https: //www.canalenergia.com.br/artigos/53132947/alternativas-e-sugestoes-para-mitigar-os-impactos-do-coronavirus-sobre-o-setor-eletrico-brasileiro. Acesso em: 30 abr. 2020.TUTELAS De Urgência E Arbitragem: Convivência Possível Nas Disputas Envolvendo Contratos De Energia ”.SION Advogados, Belo Horizonte, 22 anos abr. 2020. Disponível em: http: // covid19.sionadvogados.com.br/gestao-de-conflitos.html. Acesso em: 10 maio 2020.WEBINAR Impactos Contratuais da COVID- 19 nos Setores de Energia, Mineração e Siderurgia. Alexandre Sion. Belo Horizonte: SION Advogados, 30 abr. 2020. 1 Vídeo (2he 56 min). Publicado por Sion Advogados.Disponível em: https://www.youtube.com/ assistir? v = vd3058fLF-o. Acesso em: 10 maio2020.


Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print
Share on email
Fechar Menu